quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

MONUMENTOS DA CIDADE DE BELA VISTA-MS



O levantamento dos monumentos da cidade de Bela Vista-MS, surgiu da necessidade de se conhecer e aprofundar o petencial turístico-histórico-cultural do município.

Este seguimento turístico, bem como, a Paisagem Histórica da Retirada da Laguna e diversos outros seguimentos, integram uma rede ou teia de interação turística inter-municípios da região do Mato Grosso do Sul.

A presente coletânea contem o cadastro de dezoito monumentos assim clasificados:

- munumento arquitetônico;
- munumento ecológico;
- monumento histórico;
- monumento religioso;
- monumento rodoviário e
- túmulo-monumento.


Monumento Internacional da Batalha de Nhandipá (o mais importante): é um monumento histórico, erigido no exato local da batalha e que, homenageia os soldados brasileiros e paraguaios mortos em 11 de maio de 1867, durante a célebre “Retirada da Laguna”. Foi a maior batalha campal ocorrida em solo sul-mato-grossense na Guerra da Tríplice Aliança. Foi construído por iniciativa do major Leônidas Herrmes da Fonseca, comandante do 10º R C I (atual Regimento Antonio João) e, inaugurado em 1931.

Panteão “Capitão Pedro Rufino”: é um monumento histórico, localizado no pátio interno do quartel do 10º Regimento de Cavalaria Mecanizado – RAJ. Guarda os restos mortais do bravo e inexcedível “Cmt nº 01”, herói do Regimento Antonio João, que combateu na Guerra da Tríplice Aliança – o capitão Pedro José Rufino. O projeto foi idealizado e mandado executar pelo major Eleutério Brum Ferlich – Cmt do então 10º R C I (Regimento de Cavalaria Independente). Foi inaugurado em 29 de dezembro de l939; porém, o translado da urna funerária contendo os restos mortais do herói só veio a ocorrer em 11 de maio de 1959.

Marco Divisório de Fronteira “Brasil – Paraguai”: é um monumento histórico, localizado na junção das duas cabeceiras formadoras do Rio Apa (Apa e Estrela). Seu estabelecimento em 1872-74 foi definido pela Comissão de Limites Brasil – Paraguai, tendo como comissário brasileiro o Barão de Maracaju. Somente a partir de 1932, outra Comissão de Limites, veio chantar os atuais marcos de alvenaria existentes ao longo da fronteira entre os dois países.



Cemitério Histórico de Bela Vista: está localizado no bairro denominado “Água Doce”. Originou-se, inicialmente, com a inumação dos mortos no combate de Nhandipá e, posteriormente, com o sepultamento dos antigos moradores do pós-guerra. Nele encontramos importantes túmulos de heróis e heroínas de nossa região:

Túmulo-Monumento de Dª. Senhorinha Lopes: o nome completo da veneranda anciã é “Senhorinha Maria da Conceição Barbosa Lopes”. É madrinha da primeira bandeira republicana do quartel do Regimento Antonio João – RAJ e, também, do próprio quartel. Foi esposa de José Francisco Lopes – o célebre Guia Lopes da Laguna. Ela e o marido são os lídimos representantes das duas primeiras famílias de civilizados – os Lopes e os Barbosa – a estabelecerem-se em nossa região por volta de1846. Faleceu em 1913, com 90 anos de idade; dias depois de ter hasteado, à convite, pela última vez, a bandeira da qual era madrinha e que se encontra em exposição no Salão Nobre do Regimento Antonio João.

Túmulo-Monumento do Capitão Muzzi : seu nome completo é ”João Caetano Teixeira Muzzi”. Alistou-se, voluntariamente, no 17º Batalhão de Voluntários da Pátria de Minas Gerais que, integrou a Coluna de Mato Grosso durante a Guerra da Tríplice Aliança. Esteve na célebre Retirada da Laguna e participou da Batalha de Nhandipá, onde foi ferido em combate. Desmobilizado, fixou residência no atual Estado do Mato Grosso do Sul (MS). Foi o primeiro a lutar pela divisão do Estado do Mato Grosso (MT), tendo liderado a revolução de 1894 – após ter fundado um partido denominado “Autonomista” – cujas cores são as da atual bandeira do Estado do Mato Grosso do Sul. Faleceu em 1908 na cidade de Concepcion no Paraguai. Seus restos mortais foram transladados para Bela Vista-MS, onde se acham sepultados.

Túmulo-Monumento de José Lemes “Bugre”: seu nome correto é José Lemes da Silva, sendo-lhe acrescido ao nome o apelido “Bugre”, do que resultou ser conhecido até o fim de sua vida por José Lemes da Silva “Bugre”. Foi ex-combatente da Guerra da Tríplice Aliança – ocupando a graduação de cabo e integrando as tropas da Retirada da Laguna. É considerado o primeiro morador da sede do município. O atual bairro Nossa Senhora de Fátima (antigo Nunca-Te-Ví), resultou da desapropriação, em 1905, de 3600 hectares de sua propriedade – desmembradas em centenas de chácaras. Foi o primeiro projeto de reforma agrária de nossa região. Faleceu em 1937 e foi sepultado no cemitério público do bairro denominado “Nunca-Te-Ví”. Posteriormente, seus restos mortais foram transladados para o cemitério da família, na fazenda Santa Tereza, município de Nioaque.

Túmulo-Monumento do Gaúcho que Tentou Tomar o Quartel de Bela Vista: seu nome era Saladino da Silva Nunes e o fato histórico que o celebrizou, ocorreu durante a Revolução Constitucionalista de 1932. Bela Vista foi povoada em sua maioria por gaúchos simpatizantes do Presidente Vargas. No entrechoque de opiniões a favor e contra a revolução, um grupo liderado por Saladino, tentou tomar as instalações do antigo 10º R C I – atual Regimento Antonio João, no dia 20 de julho de l932. As tentativas foram frustradas, vindo o líder do grupo a falecer nas imediações do quartel; e, seu irmão Gotte Lippe Nunes resultou seriamente ferido.

Túmulo-Monumento dos Mártires do 10º R C I: constitui-se no conjunto dos túmulos do advogado Arthur Veloso Moreira (Dr. Veloso), Cornélio Pires da Silva (Melinho) e Carlos Cabreira (Carlinhos). Os três foram sumariamente executados nos fundos do quartel do antigo 10º R C I – atual Regimento Antonio João, em dezembro de 1936. Época que a sociedade bela-vistense vivia um período de extrema turbulência. Dias depois (janeiro de 1937), com o restabelecimento da ordem social, os corpos dos três foram exumados e transladados para o cemitério público da cidade, onde se encontram.

Ponte Internacional do Rio Apa: é um monumento rodoviário internacional que, liga o município de Bela Vista no Mato Grosso do Sul ao de Bella Vista Norte no Paraguai. Localizada sobre o leito do internacional Rio Apa, sendo parte integrante da rodovia Brasília-Assunção (BR-060). Foi mandada construir pelo governo federal e inaugurada em l97l, pelos Presidentes: Emílio Garrastazu Médici - do Brasil e Alfredo Stroessner - do Paraguai.



Obelisco da BR-060: é um monumento rodoviário que, está localizado na rotatória da rodovia Brasília-Assunção (BR-060) que, dá acesso a Agência da Receita Federal e a Ponte Internacional do Rio Apa. Foi inaugurado em 1971, pelos Presidentes: Emílio Garrastazu Médici – do Brasil e Alfredo Stroessner – do Paraguai.


Igreja de pedra “São Geraldo”: é um monumento religioso, localizado no bairro suburbano denominado “Água Doce”. Foi construída durante os anos de 1930/32. Sua estrutura é toda em pedra ciclópica, vulgarmente conhecida por “pedra canga”. Para sua construção foi contratado o empresário Luiz Louzinha – “o portuguezinho”, sob as ordens dos padres redentoristas.


Morro Margarida: é um monumento ecológico, de elevação impar, existente na região do vale do Rio Apa. É ponto de referência da história do Mato Grosso do Sul e, particularmente, da Guerra da Tríplice Aliança. Taunay em seus relatos sobre a Retirada da Laguna, cita-o por diversas vezes, como principal baliza referenciada por José Francisco Lopes – o guia da Expedição de Mato Grosso em 1867. Está situado a cerca de 38 km da sede do quartel de Bela Vista – o Décimo Regimento de Cavalaria Mecanizado (10º RC Mec), a cuja jurisdição pertence.

Cruz ou Cruzeiro do Apa: é um monumento religioso. A antiga cruz localizava-se à margem direita do Rio Apa e, à esquerda de quem descia ao rio com destino à congênere Bella Vista Norte - a cavalo ou de carreta de bois, naquela época. A 14 de agosto de 1930, chegavam a Bela Vista, vindos de São Paulo, os primeiros padres redentoristas. Em 09 de agosto de 1931, os padres começaram a “primeira missão” em Bela Vista-MS, com a duração de dez dias e dedicada a São João Batista; sob o lema: “Salva Tua Alma”. A pesada cruz foi erguida a 18 de agosto daquele ano - último dia da missão. Em 10 de março de 1935, foi realizada uma grande procissão da quaresma – da igreja para a cruz da missão na beira do Apa. Por decênios a cruz entalhada em madeira de lei, se manteve ereta como nossa guardiã espiritual, à margem do Apa. Já carcomida pelo tempo e, sob a ação das intempéries e até de vândalos que a depredaram, fazendo-a de tiro ao alvo. Foi substituída a 08 de dezembro de 2003, por imponente cruzeiro de concreto armado; numa iniciativa do prefeito Luis Carlos Cunha Tebicherane – o Lico, sendo o projeto da autoria do engenheiro Francisco Monteiro – o kiko. Foi chantado em local próximo à antiga “Cruz do Apa”. Desta feita, trazendo suportes especiais para receberem as protetoras das duas nações: N.S. da Conceição – padroeira do Brasil e N.S. de Caacu- pê – padroeira do Paraguai.
(Nota do autor: o correto seria colocar as imagens de N. S. do Perpétuo Socorro - padroeira de Bela Vista-MS e da Virgem del Apa - padroeira de Bella Vista Norte-PY)

Ponte de Pedra: é um monumento rodoviário, construída sobre o leito do Rio Piripuku, em terras da antiga fazenda Santa Elisa (atual fazenda Santa Mônica) – pela margem esquerda e, terras da fazenda Três Cerros – pela margem direita. Integrava a primeira estrada carreteira, ligando o município de Bela Vista à vila de Caracol – distrito daquele. Dista cerca de 25 km do município e foi inaugurada em 1914, na administração do prefeito Ernesto Villas-Boas. Seus pilares são de pedra ciclópica, vulgarmente chamada “pedra canga” – são um verdadeiro colosso!

Ñandejára Puente: é um monumento ecológico, localizado no km 36 da rodovia MS-642, no sentido Bela Vista – Caracol. O termo é bilíngüe: Ñandejára (termo guarani cujo significado é Deus) - Puente (termo castelhano que significa ponte). A versão mais correta para o português seria “ponte feita pela natureza”.O local por ser de natureza calcária produz o sumidouro das águas do Córrego Guaviral por sob o leito da rodovia acima, com o reaparecimento das suas águas a pequena distância do lado oposto da mesma.

Antiga Receita Federal ou Mesa de Rendas: é um monumento arquitetônico. Localiza-se nas imediações do antigo “Passo de Bela Vista”, local da travessia do Rio Apa pelas tropas da Retirada da Laguna em 1867. As ruínas do que foi a antiga “Mesa de Rendas”, constitui-se de um prédio de alvenaria, construído em 1910/12, pelo governo federal em propriedade particular, hoje pertencente a membros da tradicional família “Caporossi”. Inicialmente, constava de dois prédios gêmeos e simétricos. Somente permanece de pé, o vetusto prédio que abrigava o almoxarifado da antiga repartição. Observa-se, ainda, o frontispício de frontão redondo, tendo no tímpano o brasão das “Armas da República”.

Casa nº 01 - Antiga casa dos Comandantes: é um monumento arquitetônico. A antiga casa nº 01 (atual nº 09) foi privativa dos comandantes do quartel de Bela Vista-MS até 1947.

Em 1936, ocupou a casa nº 01, o famoso Major Dilermano. Sua fama originou-se do duelo entre ele e o célebre escritor Euclides da Cunha (Autor de "Os Sertões") em 15 de agosto de 1909.

Em 1994, a TV Globo levou ao ar a mini-série "Desejos" - sendo protagonistas:
- Guilherme Fontes, no papel de Dilermano de Assis;
- Tarcísio Meira, no papel de Euclides da Cunha e
- Vera Fischer, no papel Ana Emília Ribeiro, esposa de Euclides da Cunha.

Memorial Centenário de Bela Vista-MS (1908 - 2008): é um monumento arquitetônico. Foi erigido na administração do prefeito José Garibaldi da Rosa Neto, para comemorar o "Centenário da Princesa do Apa"; cuja emancipação politico-administrativa ocorreu pela Lei nº 502, de 3 de outubro de 1908 - ocasião em que houve o seu desmembramento da cidade de Nioaque-MS, da qual fora, até então, distrito.


5 comentários:

carinafaria disse...

Fico feliz com mais essa iniciativa de divulgar Bela Vista. Como belavistense também procuro mostrar às pessoas, a importancia dessa terra. Conto com sua participação na Comunidade do ORKUT- Memórias de Bela Vista. Parabéns pelo blog.

Walnizia disse...

Parabéns pelo blog e pela divulgação da cidade de Bela Vista. Eu e meus filhos ficamos particularmente emocionados com a notícia sobre o Túmulo de Saladino, irmão de Gotte Lippe Nunes que vem a ser o avô do meu falecido marido Gotte Lippe Nunes Neto, pai dos meus filhos.

Roniewerton Pacheco disse...

Fico Muito feliz de reencontrar parte da história de minha amada Bela Vista tão bem contada pelo meu gde amigo e na época que passei por esta abençoada terra era meu ST no Esqd de Cmdo, hoje merecidamente Capitão e pelo visto um brilhante historiador. Com um fraterno abç do amigo Roniewerton Pacheco Fernandes - 1º Ten R/2 Cav - roniewerton@yahoo.com.br

Anônimo disse...

parabens pelo o trabalho dessa historia

Aparecido.A.Brito disse...

Em 1949, cheguei a Bela Vista para servir o Exército (Cavalaria), voltando em novembro de 2012, para visitar a cidade e o quartel , aproveitando para relembrar o passado e ver o presente. Tudo está muito moderno e bonito.
Aparecido Alves de Brito, Pompéia, S.P