quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

BELA VISTA: do nascimento aos dias atuais


Segundo dados históricos Bela Vista teve início quando Gabriel Lopes, genro do então colonizador Antônio Gonçalves Barbosa, procedente da posse Boa Vista (vacaria), iniciou os alicerces da Fazenda Passatempo. Anos mais tarde, Gabriel Lopes veio a falecer, deixando a fazenda à sua mulher Dona Senhorinha Maria da Conceição Barbosa Lopes. Algum tempo depois, Maria da Conceição (Dona Senhorinha) contraía núpcias com seu cunhado, José Francisco Lopes – o guia Lopes – que, mais tarde, teve papel de grande relevância histórica para a região, ao assumir o encargo de guiar as tropas brasileiras contra o exército invasor do Marechal Solano Lopes na epopéia da Retirada da Laguna. Com o fim da Guerra do Paraguai, vários outros colonizadores dirigiram-se para esta região, destacando-se entre eles José Lemes da Silva "Bugre", que construiu a primeira residência na cidade. Mas foi após o ano de 1870, com a chegada de novos colonizadores, na maioria procedentes do Rio Grande do Sul e, dedicados à criação de gado e à agricultura, o começo do povoamento que deu origem à atual cidade de Bela Vista. Foi elevada a distrito em 1900, e a município só oito anos depois, em 3 de outubro de 1908 (verdadeira data do aniversário de Bela Vista); muito embora no dia 20 de julho, comemora-se a data em que foi elevada à categoria de cidade. O primeiro prefeito de Bela Vista foi Marinho Fernandes Tico, que administrou entre 6 de março de 1909 e 31 de dezembro de 1911.
Além das famílias Lopes e Barbosa, destacam-se também entre os primeiros moradores as famílias: Leite, Ferreira, Pedra, Loureiro, Escobar e Melo.
Bela Vista possui uma extensão territorial de quase cinco mil quilômetros quadrados, e temos no Rio Apa, a linha divisória com a vizinha Bella Vista Norte, no Paraguai. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de geografia e Estatística) a população bela-vistense atual é de 20.470 habitantes, o clima predominante é tropical e a vegetação de cerrado.
Região da Bodoquena

Bela Vista integra, assim como os municípios de jardim, Bodoquena, Bonito, Guia Lopes da Laguna, Nioaque, Caracol e Porto Murtinho, a região da Bodoquena, um dos principais pólos de ecoturismo do Mato Grosso do Sul e que tem Bonito como "carro chefe".

Uma região que tem, na verdade, um território privilegiado em recursos naturais. Seu potencial mineral também é considerável: calcário, granito e, também, o mármore.

Atrativos Turísticos

Apesar da cidade ainda não dispor de uma infraestrutura adequada para receber turistas, Bela Vista tem um grande potencial a ser explorado, como já fazem alguns municípios da região.

Entre os lugares a serem visitados podemos citar o Rio Apa, que serve de limite entre o Brasil e o Paraguai, além de ter sido palco da Retirada da Laguna. A prainha do Pompílio, a cachoeira do Itá, o Rio Cadiga, o Lago Azul, o Morro Margarida - local mais elevado do município e ponto estratégico da Retirada da Laguna e Ñandejára Puente.

Album: Krugerson Mattos

HISTORIADOR DISCORDA DA DATA DE ANIVERSÁRIO DA CIDADE

Asim como a prórpria história, a controversia também faz parte de todos os acontecimentos da vida humana e, Bela Vista não poderia ter ficado de fora. Apesar da data de comemoração do aniversário da cidade ser oficialmente em 20 de julho, o capitão aposentado do Exército e historiador, Krugerson Mattos, discorda desta versão. Mineiro de nascimento e bela-vistense de coração, ele já vasculhou a história da cidade e afirma que ao contrário do que é contado, Bela Vista foi elevada a cidade em 16 de julho de 1918 e não em 20 de julho, data em que é comemorada atualmente. "Estudei passo a passo toda a história de Bela Vista e tenho absoluta certeza de que a data de aniversário está errada", diz ele.

Mattos veio para Bela Vista em virtude da transferência de seu irmão, Capitão Robinson, do Rio de Janeiro-RJ para Bela Vista e que incentivou-o a seguir carreira no Exército. Ele conta que nunca havia se interessado por história até começar a escutar contos, conversas e "causos" contados no quartel por militares moradores da cidade. Um dos seus maiores orgulhos, além de ser reconhecido como historiador, é ter recebido o título de cidadão bela-vistense.

Os primeiros habitantes vieram através de uma expedição saída de São Paulo com destino a Mato Grosso-MT, passando por Santana do Paranaiba. Se fosse nos dias de hoje, a chegada seria por Rio Brilhante e Nioaque.

A ocupação na época era incentivada pelo Governo Imperial. O Barão de Antonina, senador à época, foi quem patrocinou esta expedição.

Os Lopes e os Barbosa, foram as duas primeiras famílias a habitar a cidade.

A primeira fazenda de Bela Vista, pertencente aos Barbosa, situava-se na região da Água Amarela e chamava-se Arroio de Ouro. Anos depois, após a Guerra do Paraguai ( outubro de 1864 a maio de 1870), a fazenda foi dividida para presentear a filha da proprietária - Isabel Porcina, quando de seu casamento com Clemente Barbosa, que foi chefe político em Bela Vista.

NOTA: a presente postagem é uma transcrição (com correção) da matéria publicada na edição nº 2, de dezembro de 2003, da Revista Tereré.

6 comentários:

Fernando Sampaio disse...

Parabéns pelo blog Capitão.

Camis disse...

Prezado Cap. Mattos,

Tenho muito interesse na história militar, em especial, no Parque Histórico Colônia Militar dos Dourados. No 11o. RCMec (Ponta Pora) me informaram que o senhor é um profundo conhecedor da história militar da regiao, por isso, gostaria muito de entrar em contato.

Meu email: camis_cs@hotmail.com

Aguardo ansiosamente contato.
Att.
Camila Cremonese

Attilio César disse...

Olá, tio. Sou filho de tua sobrinha Lucienne, filha de tua irmã Leila, a qual, infelizmente, para o pesar de todos nós, partiu recentemente.
Tio, adoro a história militar e tenho pesquisado sobre o assunto, sobretudo a parte da Retirada da Laguna. O senhor poderia indicar-me leituras mais profundas sobre o tema?

Atenciosamente, Attilio César.

Amalia disse...

Parabéns pelo lindo trabalho em divulgar um pouco da nossa história. Muita dedicação e amor se vê nas entrelinhas. Um país, tão grande como o nosso, precisa de pessoas dedicadas a compartilhar os detalhes de todos seus cantos.

Amalia disse...

Parabéns pelo lindo trabalho em divulgar um pouco da nossa história. Muita dedicação e amor se vê nas entrelinhas. Um país, tão grande como o nosso, precisa de pessoas dedicadas a compartilhar os detalhes de todos seus cantos.

Amalia disse...

Parabéns pelo lindo trabalho em divulgar um pouco da nossa história. Muita dedicação e amor se vê nas entrelinhas. Um país, tão grande como o nosso, precisa de pessoas dedicadas a compartilhar os detalhes de todos seus cantos.